9.1.13

Sonhando acordada


















Ela vê e imediatamente não são meras imagens, são vontades dele. Dela, por ele. Uma coleção de cenas das quais nunca participou, mas pode descrever com exatidão cada uma delas, com uma estória inventada para a história de amor inexistente. Tem várias, mas duas preferidas:

1
Naquela manhã tomaram juntos uma média de café com leite e pão na chapa. Básico. Teve salada de frutas também. Ela não conseguia descolar os olhos dele. A visão do restante do ambiente era vaga, completamente afetada pelo túnel que formava dos olhos dela até os olhos dele. Também a fala estava prejudicada. Não conseguia emitir mais que duas palavras em sequência.  A satisfação por ter o cheiro dele à seu bel prazer durante toda a noite e início daquela manhã completavam todo seu corpo, enchendo como ar o organismo inteiro, parando na garganta. Por isso era tão difícil falar. Ele a preenchia e havia roubado sua língua, com aquela boca quente e macia. Os movimentos pareciam mais suaves e cada riso marcado nas covinhas formadas nos cantos da boca de lábios finos eram motivo de uma quase parada cardíaca dela. Exagero? Pra maioria sim, mas não pra ela, que aguardara meses para velar o sono do cara mais fantástico que já havia conhecido. A média de café com leite tinha gosto de pódio de ouro e o pão na chapa ficou no prato. A salada de frutas só embelezou a mesa. Nada mais cabia. Ele tinha tomado conta de tudo numa invasão permitida deliciosa.

2
Estavam viajando de férias em algum lugar bem distante. Ela tirou uma foto sem graça dele, que não queria aparecer com cara de sono. Ele deu um sorriso forçado e perguntou “tá feliz?”, ela acenou tímida e com jeito de criança sapeca que sim. Ele aprovou e abriu os braços para abraça-la e claro, a fotógrafa amadora com cara de boba não pensou duas vezes e se jogou no calor daquele peito coberto com uma camiseta branca cheirando amaciante. Que delícia! Não precisava ter viajado pra lugar nenhum, ali era o único lugar onde ela queria estar independente da estação do ano.

3 comentários:

Laura Bortolossi disse...

Que lindo! Seus textos são sempre os meus prediletos!

Laura Bortolossi disse...

Que lindo! Seus textos são sempre os meus prediletos!

Thais França disse...

Obrigada, Laurinha!