7.8.07

"elucubrando"

*******************************************************************

CENA ÚNICA - Sala - interior, início de tarde.

Sala de uma casa térrea com um móvel simples onde há uma TV de 20”, DVD, telefone fixo quadradão, espaço para coletânea de livros e alguns dicionários. No canto há CDs espalhados. Um tapete de palha cobre grande parte do chão com piso bege. Há apenas um quadro com uma paisagem na parede e uma grande janela está coberta apenas com o forro da cortina, o que propicia que a luz natural do início de uma tarde ensolarada seja direcionada para o sofá, clareando a cena. O sofá é aconchegante e revestido com tecido verde claro. Um casal está deitado abraçado. Ela encostada no peito dele.

Fade out / sobe BG tum-tum do coração, que permanece em médio som por toda narrativa

Câmera mostra cenário. As imagens são feitas, como se os olhos Dela piscassem e reparassem em todos os cantos. Está inquieta. Uma pan é feita em suaves movimentos, como se Ela acompanhasse com os olhos a luz que vem da janela e o balançar da cortina.

Corte seco alterna para câmera com foco nele, como o ângulo do olhar Dela. Apenas vê-se parte do braço Dele e o contorno do rosto.


ELA
Quero dizer umas coisas. Sempre que estamos assim eu me sinto muito bem. Como se nunca tivesse deitado antes num sofá com alguém, sabe. Seilá, já te disse que esse é o melhor lugar do mundo. Eu fico aqui pensando como é bom gostar de você e como eu amo você. Aí paro e fico na dúvida: “eu gosto mesmo dele ou do fato de gostar dele”. Você entende o que quero dizer? É que é bom gostar de alguém específico, mas melhor ainda exercitar o gostar. Tem gente que nunca amou na vida, sabe. Sério. Mas aí eu percebo que são as duas coisas e que não seria a mesma coisa se eu amasse, mas não fosse você. É bom porque o foco é você. Eu te olho e seus cílios são os mais lindos, sua boca é meio bicudinha, mas é a mais gostosa, sua barba me dá orgulho de eu ter um homem com H maiúsculo do meu lado. E seus braços, puxa, me sinto tão minúscula dentro deles que esqueço minha altura, meu peso, minhas imperfeições. Sou eu envolvida num espaço perfeito para mim, como se fosse só meu, e me sinto especial. Boba né. Boba mesmo. E sabe, ao mesmo tempo que você tem ataques e tem esse problema de não expor o que você sente, eu tento ver “o lado bom” e quero acreditar que isso acontece porque você sabe o valor de tudo e não quer cair no erro de tanta gente de dizer coisas bonitinhas ao vento. Mas você é exagerado e isso me machuca, claro, sou mulherzinha, né. Mas ok, estou tendo calma com você. Quando te vejo assim é muito claro que você é uma pessoa que precisa demasiadamente de carinho, de amor, de paparico, mesmo negando até o fim. Eu tento colocar altas doses de tudo isso nos meus gestos e parece que de certa forma tenho êxito, pois acho que confia em mim. Esse meu gostar de você me dá medos também, sabia. Sou sincera, transparente e meu maior medo é passar por boba, ser enganada, manipulada ou só reconhecida como uma complicada perfeitinha que sabe tratar bem. Não quero só isso, quero tudo, quero as vírgulas, as reticências e todos os parênteses que tenho direito. Quero ser reconhecida por texto completo e não só um versinho bobo como “batatinha quando nasce”. Ahaahahahh, você ri, né? Mas é isso mesmo que penso. Penso demais, eu sei, mas paro de pensar aqui, no melhor lugar do mundo, onde não trocaria agora por nenhum outro. Eu queria que você dissesse só uma vez algo derretido, mas me calarei com atitudes que falem pelo seu coração, então capricha, porque sou menos insegura que antes, mas não sou de ferro. Me faz sentir que eu me encaixo nos seus braços melhor que qualquer outra e que esse lugar foi feito pra mim. Sabe, depende mais de você do que de mim. E apesar de tudo ser tão lindo, se eu perceber que é em vão eu assopro as velas e vou embora, amarro minha trouxa, pego o próximo barco. Não quero isso, mas quero ser feliz de verdade né. E não consigo entender como alguém com tantos defeitos e chatices pode ser tão apaixonante. Ou eu sou louca, o que é provável. Só sei que não entendo o motivo, mas ele é especial e está acima de muitas coisas, não consigo enxergá-lo. Parece que há apenas um fio que divide o gostar do não gostar. Ele é fino, mas de aço e muito difícil de ser cortado. A menos que algo específico, sério e ilegal o rompa, acho muito difícil ser tirado do seu estado. O meu amor por você é assim, um fio que segura algo bemmm maior, algo que nem eu mesma sei, mas que está acima do céu. E quanta besteira eu já falei...

ELE
(abre os olhos, a câmera mostra-o acordando)
O que você está me olhando?

ELA
Nada.

ELE
Nada mesmo?

ELA
Não...

ELE
Sossega, dorme, fica quietinha, fica?!
(beija a testa dela)

ELA
(sorri e fecha os olhos)

sobe BG: Open Your Eyes, Snow Patrol
câmera passeia pela sala/ zoom in/zoom out em detalhes do corpo deles e do ambiente.

Um comentário:

bru disse...

perfeitamente comum e irritante beijinho na testa, e um sossega e dorme...

ótima cena! rs