28.3.07

Para quem ainda não surgiu


Silencia-me, por favor
Silencia-me
Deixe que o barulho das situações irrelevantes não chegue até mim
Atente para que piadas sem graça não me atormentem
Inunda-me com a calada de uma noite estrelada
(Tolero o doce som da chuva caindo)

Silencia-me, por favor
Silencia-me
Cuide para que o grito do tédio não me sufoque
Alcance, a mim, a calma, mas sem dar crédito à rotina
Preencha-me com tua presença
(Aceito as pedras que naturalmente virão)

Silencia-me, por favor
Silencia-me
E transforma o desconforto do silêncio vazio que hoje conheço
Apresenta-me um som que não precisa ocupar meus espaços
Prova-me que há sons mudos e silêncios ruidosos
Silencia-me, por favor
Silencia-me
E me desconserte.

3 comentários:

Ricardo Pieralini disse...

Tic, tac, tsic, pum, pan, flup.

Ju Guidolin disse...

gostoso seu mezanino... vou entrar, sentar e tomar alguma coisa pra apreciar as estrelas. posso me sentir em casa?

bjos

Thais França disse...

Para Pieralini: Sempre onomatopéico...

Para Ju: Claro, Ju. Vc pode sentir-se sempre em casa para confidenciarmos nossas vidas.

Beijão, amiga querida!