25.4.07

Coração em uma incubadora

Átrio direito e átrio esquerdo, juntos, em uma só voz: - Mas por que estamos aqui ainda?

Ventrículo direito: - Porque sim.

Ventrículo esquerdo, sempre inconformado e solidário: - Porque sim não é resposta, irmão. Explica para eles...

Ventrículo direito: - Não tô afim. Fala você, “irmão” (diz, com tom de ironia, e fecha a cara)

Ventrículo esquerdo: - É que...

Átrio direito e esquerdo, juntos, novamente: - Fala logo, está angustiante ficar aqui entre estas paredes transparentes e frias!

Válvula tricúspide – sem ser convidada – entra na conversa: - É que ela não quer nos tirar daqui por enquanto.

Válvula mitral, interfere: - Ela está insegura, normal...

Ventrículo direito: - Essa louca nunca tá segura, pô!

Ventrículo esquerdo: - Gente, calma, é normal...

Válvula mitral: - É o que estava dizendo...

Átrio direito e átrio esquerdo, juntos, como sempre: - Mas se ela é sempre assim, então a gente nunca vai sair daqui e teremos que ficar com esse cheiro de remédio eternamente?

Válvula tricúspide: - Daqui a pouco a gente sai...

Ventrículo direito: - Ahahaahahaha. Tá tirando? Você disse isso há seis meses!

Ventrículo esquerdo: - É, mas agora ela está cedendo. A gente quase saiu esses dias...

Ventrículo direito: - Isso, isso. Entre o “quase” e o sair efetivamente tem chão...



(Átrio direito e átrio esquerdo choram juntos)



Válvula tricúspide: - Olha, não devia contar, mas meu informante cérebro me disse que para ela nos deixar sair basta que alguém fique nos fitando pelo vidro por um tempo e a respiração aqueça a incubadora de tal forma que ela ache que é confortável para nós lá fora...

Válvula mitral: - Então, também estou sabendo desse “off”... mas parece que não é bem simples assim. Várias pessoas ficaram aqui por perto, rondaram a incubadora e até rolou um plano estratégico de nos roubarem. Mas ela ficou sabendo e ampliou o monitoramento da sala. Agora, parece que tem um sujeito meio por perto...



(Átrio direito e átrio esquerdo continuam chorando juntos)



Ventrículo esquerdo: - Quem sabe. Talvez seja ele que consiga tirar a gente daqui, não é? Se ele quiser, claro... e se ela resolver ir com ele. Há uma esperança...

Ventrículo direito: - Opa! Ou é mais um daqueles vendedores de limpa-vidros, tentando empurrar uma solução brilhante! Ahahaahah... bando de melosos molengas...

Átrio direito e átrio esquerdo, ainda chorando compulsivamente: - Pára! Você é malvado, não queremos ouvir!

Ventrículo direito: - Vidraceiro, vidraceiro, vidraceiro! Ahahahahaha

Válvula mitral: - Aqui já está abafado... agora, será um martírio!

Válvula tricúspide: - Pior sou eu que tenho que trabalhar entre um chorão e um pessimista intolerante...

Ventrículo esquerdo: - Vou ver o remedinho do ventrículo direito... ele está passando dos limites...

Ventrículo direito: - Isso, hipocondríaco doido, me dopa e cala a voz da razão desse coração besta. Ai, que turma chata...

3 comentários:

Renata disse...

Essa cabecinha é um poço!

Thais França disse...

... de merda?

Fabio Chiorino disse...

puta idéia original...muito bom. A válvula mitral dizendo "Então, também estou sabendo desse “off”...foi sensacional