24.4.07

Simprão

Já recebi muitas “declarações de amor" na vida. Até pouco tempo eu guardava uns bilhetinhos que ganhei quando eu e alguns “apaixonados” éramos crianças e estávamos começando a descobrir o que era sentir emoções e atrações pelo sexo oposto. Além de bilhetes, tenho lembranças hilárias. Uma delas, por exemplo, foi de quando pedi um mês para responder a um menino se queria dar um beijo nele ou não, sendo que eu já sabia que não queria. Malvado isso. Já disse “eu te amo” para alguns, mas só alguns destes alguns foram com propriedade. Hoje sei que só metade destes poucos foi real.

Resolvi escrever isso porque minha mente é uma rede de links infinita e processa dados em uma velocidade digna de reinventar-se a fibra ótica. Acabei de ouvir “O Amor é Filme”, do Cordel do Fogo Encantado (trilha do filme Lisbela e o Prisioneiro, por sinal), e, apesar de não saber ainda direito o ponto de intersecção, lembrei da composição de Adoniran Barbosa “Tiro ao Álvaro”.

Batuquei mentalmente a musiquinha...
Já me alegrei com rosas cor-de-rosa, rosas vermelhas, rosas amarelas, rosas brancas, flores do campo, orquídeas, lírios (preferidas), copos-de-leite, tulipas (espetaculares), cartinhas, cartões, quadros, livros, poemas, versos, chopps, vinhos, presentes, olhares, falas, silêncios, mas nunca – nunca – experimentei a sensação de ouvir uma música assim para mim. E esta é mesmo ultra, como aqueles presentinhos personalizados, feitos a mão e que nem sempre ficam esteticamente bons. Simples, impactante, verdadeira, nada morna. Isso sim é que é declaração de amor.



Tiro ao Álvaro
Adoniran Barbosa / Oswaldo Molles)


De tanto levar
Flechada do teu olhar
Meu peito até
Parece sabe o que
Tauba de tiro ao Álvaro
Não tem mais onde furar
Não tem mais
Teu olhar mata mais do que
Bala de carabina
Que veneno estricnina
Que peixeira de baiano
Teu olhar mata mais que
Atropelamento de artomorve
Mata mais que
Bala de revorve

2 comentários:

Thais França disse...

ok, ok, ok

claroooo que continuo querendo, gostando e ficando abobada com demonstraçõezinhas tradicionais e compráveis em lojas e floriculturas ;)

Fabio Chiorino disse...

no fundo, as mulheres gostam do tradicional e da segurança de alguém que cuide delas. A música não poderia ser melhor escolhida, pois Adoniran é um mestre maior, que não recebeu o valor merecido.